EnglishItalianPortugueseSpanish

Responsabilidade afetiva

Não se deixe levar pelo ego, orgulho e insegurança

Um dia desses estava lendo um texto da psicóloga Pâmela Magalhães, no qual ela falava sobre pessoas que abandonam outras por pura insegurança, li uma expressão que chamou-me atenção. Disse ela, que algumas pessoas nos acham “areia demais para os seus caminhõezinhos desgovernados.” Isso me fez refletir sobre algumas questões:

Há pessoas que tendem a se intimidar com o que é bom por sentirem-se incapazes ou não bons suficiente para viverem vidas incríveis. Acham que merecem menos e constroem castelos com a areia retiradas dos seus “caminhões desgovernados”, achando que estão fazendo uma grande coisa.

Dessa forma, fazem péssimas escolhas dentro das suas confusões. Ruins para si e para quem está envolvido nesse jogo de ego, orgulho e insegurança.

Normalmente essas pessoas, por agirem assim, permitem que mais e mais gente se envolva nesse jogo. De certa forma se satisfazem, inflando seus egos por “partirem corações”, e mascarando assim a sua auto estima quase inexistente. E não falo aqui de adolescentes. Falo de homens e mulheres adultos sem nenhuma responsabilidade afetiva consigo ou com outrem.

Eles não têm noção das consequências, marcas e revoltas que isso pode causar em outras vidas, e quando verdades batem à porta, ao invés de encaram sentem-se agredidos, e se defendem com todas as armas que podem para não serem descobertos e sua fragilidade ser exposta. Muitas vezes a “ex-louca” só está tentando não se manter calada, enquanto a atual é enganada.

Muitas vezes a areia demais para o “caminhão desgovernado”, perde o prumo, o rumo, ficando totalmente perdida com o “perdido” que levou. Está aí a importância de ser completo para depois completar. De terminar o que começou e não desistir quando se sentir um “gatinho” frente à grandiosidade de um tigre. Aprenda a ser um tigre para conviver com quem você admira e não fuja procurando um rato para lhe fazer companhia, para que você consiga se manter superior.

– por Daniela do Carmo

Daniela é gaúcha de Santa Maria, formada em Pedagogia, Mestre em Ensino de Ciências e Matemática e Gestora em uma Escola Municipal de Educação Infantil. Apaixonada por pessoas e gatos, adora ler e conversar sobre relacionamentos, estética, maquiagem, comportamento humano e felino. Conheça mais sobre a autora desse texto no Instagram: @danidocarmoaa

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin