EnglishItalianPortugueseSpanish

Não quero ser mãe!

Útero, cada um tem o seu para decidir o que quer fazer!

Já é chato quando a sociedade fica te cobrando um diploma, depois ser “dona de casa” e ter um emprego “importante”. Não basta ser dona DA casa (porque comprou), nem trabalhar com o que você gosta, se os vizinhos não reconhecerem aquele trabalho como algo “invejável”. E você, claro, também precisa ter um “companheiro” (sim, ainda tem que ser do sexo oposto). Agora imagine, essa chatice toda em cima da gente e a sociedade ainda quer nos cobrar FILHOS? Sim, filhos! Aquele ser fofinho, que todo mundo quer brincar, pegar, PALPITAR, mas ninguém quer limpar, ninar, fazer parar de chorar e etc.

Desculpa mães, mas cada uma tem seu útero justamente, para cada uma usa-lo quando e SE QUISER. No meu caso, eu escolhi ESPERAR, uma próxima vida talvez (risos).

Sem ofensas, mas eu não julgo quem teve filho cedo, na hora certa e/ou tarde, não julgo quem abortou(Only God can judge us), quem colocou para adoção (eu sou adotada tá, antes que me condenem por falar disso) e nem quem coloca no mundo mas não exerce o papel de mãe (Porque vai ser aquele mesmo God lá, que vai julgar). Claro que temos muitos “pais” fakes, mas aqui, falamos com as MULHERES! Eu não julgo nenhuma, então, espero que não me julgue antes de ler o desabafo. Pelo menos.

— “Eu não quero ser mãe! Eu quero ser livre, até mesmo para mudar, ou não, um dia de opinião. Mas para isso, eu preciso HOJE, viver minha escolha sem condenação social”.

Eu sou adotada e eu sou muito grata por isso. Minha família é incrível e acho que nem em sonhos eu podia “montar” uma família assim. Porém, não posso ignorar o fato de várias outras crianças não terem encontrado um lar, uma família, que cuida e que os amam. Porque algumas famílias, infelizmente, adotam mais para suprir uma pressão social (essa ao qual eu NÃO VOU ME RENDER), ou para suprir algum vazio interno, mas que depois que adotam percebem que não adianta, porque o problema não está na falta de alguém, mas sim, no vazio dentro deles. E quando percebem isso, muitos “largam” os filhos como se fossem enfeites na casa. GALERA, PAGAR AS CONTAS E DAR ESTUDOS, NÃO É SER FAMÍLIA, TÁ OK!?

Pois bem, é que na minha humilde opinião para com a minha humilde vida, porém MINHA, eu entendo e acredito que deve ser incrível ser mãe. Mas como eu NÃO SOU, logo, esse sentimento não me faz falta, não sinto necessidade de senti-lo e nem vocação para isso. Posso mudar de ideia? Posso mudar, claro. Porque assim como a vida, a decisão É MINHA! Mas e se não mudar dentro do tempo biológico que nós mulheres temos? Eu não vou sair correndo para suprir uma necessidade da sociedade e não minha. Não tenho, se quer, uma opção de pai para fazer um filho. E, se nem o filho que é pra sempre, eu estou atrás, imagine de homem que a qualquer momento muda de ideia e me larga lá, com o “presente de Deus” que ELE escolheu. Porque muitos homens atormentam para serem pais, mas na hora do vamo ver, voltam atrás. Coisa que eu não posso né, e aí, como é que faz?

Adotar já é algo que eu penso mais, porém, como eu não preciso ter tanta pressa porque não depende do meu útero estar “bom”, eu fico só na IDEIA mesmo. Posso refletir melhor? Também posso, quando EU QUISER, mas não é o caso (risos de novo).

E se o tempo passar e eu, aparentemente, não tiver decidido nada, relaxa galera. É porque no fundo, eu decidi sim. Eu decidi não ser PRESSIONADA.

Eu quero viver, eu não quero planejar. A vida não é uma empresa, eu não preciso ter controle de tudo, eu não preciso me obrigar a NADA! Deixem as mulheres que não querem ser mães, serem filhas, serem tias, serem amigas, serem FELIZES como elas quiserem. Lembram, que MULHER NÃO É OBRIGADA A NADA? Então, eu não sou mesmo, nem a ser mãe.

Sabiam que, também, tem mulher que sofre por ter algum problema de saúde e não pode engravidar? E, às vezes, ela também não está preparada para adotar e a sociedade ainda fica cobrando que ela “tem que ser mãe”, sendo que é algo que, naturalmente, ela não consegue?

Outro ponto importante: Eu não quero filho, assim como também não quero pets. Não preciso de animal de estimação para substituir um vazio que eu NÃO TENHO. Eu gosto dos animais, eles são bem melhores que nossa sociedade, mas eu não preciso tê-los. Sabe por quê? Porquê eu não TENHO que ter e nem ser NADA! Difícil entender?

Minha liberdade me custou muito! Custou tempo, sofrimento e amadurecimento. Eu quero aproveitar esse meu momento MEU, só meu! Quero ser responsável por mim. Estou tão ocupada sendo feliz, que não quero colocar alguém no mundo ou adotar alguém se eu não os incluo hoje, no meu futuro. É INJUSTO! Nenhum outro ser pode ser usado para seu benefício. Escolher ser mãe para ME completar, pra ME acompanhar, para ME, ME, ME, é EGOÍSMO OCULTO!

Eu me cuido e muito. Mas, caso aconteça um imprevisto, eu vou para o plano B: Cuidar, amar e ensinar aquele ser, o DIREITO DE ESCOLHER. Graças à Deus meus pais me ensinaram e por isso estou tranquila em dizer:

SE UM DIA EU QUISER SER MÃE, FICA EM PAZ, QUE EU VOU SER! ENQUANTO ISSO, VIVO MINHA VIDA BEM FELIZ, MESMO SEM FILHOS TER.

— por Laís Galhardi.

Laís é brasileira, jornalista, solteira e mora há mais de 10 anos na Europa. Super sincera e empoderada, gosta de deixar a alma se expressar. Conheça mais sobre a autora desse texto: Instagram @dojeitodelaah

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin